Reading slump BEGONE!!

OPÁ, tive umas férias abençoadas em termos de leituras, foram umas atrás das outras, não para, não respira, acaba um livro, começa outro, repete. Vou aproveitar o bom momento para escrever opiniões e tudo.

Li o dobro do que aqui está mas decidi fazer este post só com os favoritos do romance contemporâneo, género em que andei totalmente submersa nas últimas semanas. Todas estas leituras foram estreias para mim no que diz respeito às autoras.

Cá vai:

The Unhoneymooners de Christina Lauren (publicação Maio 2019) — Uma leitura rápida e muito divertida, baseada no típico enemies-to-lovers que eu AMO. Os protagonistas são a Olive e o Ethan, que não se podem ver à frente e no entanto vão desfrutar de uma lua-de-mel paradisíaca no lugar da irmã gémea da Olive, e do irmão do Ethan, que apanharam uma intoxicação alimentar no próprio copo-de-água.

Diverti-me à grande com estes dois que têm de fingir ser recém-casados por mais razões do que estavam à espera—é o chefe dela, é a ex dele, é o próprio hotel que pode descobrir a fraude—parece uma conspiração para que eles passem o tempo todo juntos. É entretenimento garantido sempre que eles têm de simular ser íntimos, o nível de desconforto combinado com a forte atracção que eles no fundo sentem um pelo outro atinge os píncaros—so much fun.

É quando eles voltam a casa que as coisas ficam subitamente mais sérias, há ali uns momentos mais angustiantes e o meu coração sofreu pela Olive. Tenho pena que o Ethan não tenha POVs (são todos da Olive) porque acho que era importante perceber o que lhe ia na alma, principalmente depois dele ter sido um jackass.

Não posso esquecer as personagens secundárias, a família da Olive é fantástica, adoro como eles são tão unidos, têm zero inibições em grupo, e especialmente como eles cuidam uns dos outros—o problema de um é o problema de todos.

Goodreads | BookDepo

***

Fix Her Up de Tessa Bailey (publicação Junho 2019) — Ah, sim, a irmã mais nova que ninguém leva a sério e que é apaixonada desde sempre pelo jeitoso do melhor amigo do irmão, que por sua vez tem uma colecção de mommy&daddy issues por resolver. A certa altura também entra aqui a fake-relationship. Basicamente uma combinação de vários dos meus romance tropes de eleição.

Os protagonistas são a Georgie e o Travis, e eu juro que não estava mesmo a ver como é que isto ia sequer *começar* a acontecer. Ela parece ser a mulher mais intocável do mundo para ele, o que me deixava assim com o coração apertadinho, apertadinho. Até que plot twist! e a Georgie já não é a mulher invisível.

Pontos fortes: toda a luta interior, toda a angústia, todas as tentativas falhadas do Travis de não se envolver com a Georgie, todo o percurso deles. Só fiquei um bocadinho de pé atrás com as cenas steamy porque tirando aquela primeira que me deixou cheia de calores, tudo o resto foi exagerado na minha opinião.

Outro ponto forte desta narrativa são as personagens secundárias. A irmã da Georgie é o meu spirit animal.

Goodreads | BookDepo

***

The Bride Test de Helen Hoang (publicação Maio 2019) — Um arranged-marriage dos tempos modernos. Os protagonistas são a Esme e o Khai, ele que é autista e acha-se incapaz de sentir coisas, e ela que aceita ser uma espécie de mail-order bride escolhida pela própria mãe do Khai.

Outra leitura super rápida e que me deixou com aquele sorriso de orelha a orelha. O Khai acredita mesmo ser incapaz de amar e tem todo um conjunto de regras e manias inerentes à sua condição que tornam a relação dele com a Esme em algo extra cativante. Não estou a tentar romantizar o autismo, mas que foi fascinante ver, por exemplo, a maneira como eles ultrapassam a cena dele não lidar muito bem com o contacto físico, lá isso foi.

Aliás, a autora fez questão de dar à Esme uma personalidade completamente sem preconceitos nesse aspecto, de forma que ela trata o Khai da mesma maneira antes e depois de saber do autismo—quando inicialmente ela nem sabe o que isso é. Para ela ele é simplesmente o Khai, e se ele suporta ou não ser tocado assim ou assado ela nem questiona e respeita. Super comovente.

Goodreads | BookDepo

***

The Wall of Winnipeg and Me de Mariana Zapata (publicação Fevereiro 2016) — Comecei a ler este num certo dia já passava da meia-noite e só parei sete capítulos depois quando já ouvia os passarinhos chilrear de manhã e os meus olhos davam as últimas. É completamente viciante, page-turner, dormir-é-para-fracos-e-para-quem-não-tem-este-livro-à-frente.

Os protagonistas são a Vanessa e o colosso do Aiden, ele um atleta profissional, e ela a sua personal assistant—até que ela se demite. E o Aiden, que é o gajo mais reservado e imperturbável do Universo, faz-lhe uma proposta totalmente inesperada. AMEI a evolução da relação destes dois, aquilo acontece muuuito devagar, devagarinho, quase parado, e depois lá avança uns milímetros, só para fazer marcha atrás na cena seguinte e só então continuar a avançar, devagar, devagarinho… ao ponto de eu premiar a Vanessa e o Aiden com o troféu SLOWEST SLOW BURN EVER. Entenda-se que não estou a reclamar, porque slow burns são a minha praia. E este foi, sem dúvida, um daqueles casos: quanto mais se prolonga e me faz sofrer, mais eu sei que o desfecho vai ser estrondoso e me deixar de rastos.

Fiquei fã do estilo de escrita da Mariana Zapata, que é capaz de estar a descrever ao pormenor uma cena banal em que a Vanessa está, sei lá, a fazer uma salada de quinoa, e eu ali a ler com o coração aos saltos a desconstruir todo aquele momento para a posteridade. Caiu mesmo nas minhas boas graças. Cinco estrelinhas brilhantes, musculadas, duras, com pêlos no peito e tudo e mais alguma coisa.

Goodreads | BookDepo

***

The Hating Game de Sally Thorne (publicação Agosto 2016) — Um enemies-to-lovers office romance e opaaaaá, porque é que ninguém me disse que isto era TÃO bom?? A angústia de saber que a Lucy e o Joshua já andam aí desde 2016 e eu não sabia de nada—o meu coração CHORA.

Mas a sério, ia nem a meio deste livro e não me conseguia lembrar da última vez que uma leitura me tinha feito rir tanto. A Sally Thorne é absolutamente genial a construir diálogos e a descrever até ao pormenor a insanidade que é ter a Lucy e o Josh numa cena juntos. É que eles não dão tréguas, é ataque atrás de ataque, eu ainda estou a tentar processar uma cena e uma porção de diálogo com todos os seus hidden meanings, e eles já estão engalfinhados noutra situação qualquer que requer 200% da minha concentração. É DE LOUCOS.

Adoro a maneira como a Lucy narra e principalmente esmiuça todo o comportamento do Josh, porque para além das observações dela serem hilariantes—porque eles “odeiam-se” não é…—também são essenciais para perceber o Josh e o que ele sente por ela no grande esquema das coisas. Eles são tão tapadinhos, a sério—uma das minhas coisas favoritas é quando a Lucy descreve um Mirror Game entre eles e eu só pensava, ó sua tonta, duas pessoas só se copiam nos gestos dessa maneira quando estão loucamente atraídas uma pela outra, mas naaaãooo, para a Lucy aquilo é só mais uma competição que ela deve ganhar a todo o custo, die, Joshua, die! *facepalm*

Ponto fortíssimo: o slow burn que é totalmente off the charts, agonizante, palpável. Então quando eles se cansam de fingir que se odeiam, salta a tampa da Lucy e dá-se assim uma explosão de dimensão nuclear POOOOF!! Não devo estar a fazer sentido algum mas este livro deixa-me assim. Ele é tão bom, tão bom, mas tão bom, que deixo de fazer sentido. RECOMENDO TANTO. Ainda por cima dos livros que figuram neste post este é o único que está disponível em português, Odeio-te e Amo-te, pela ASA.

Goodreads | BookDepo

À awesomeness que é este livro acresce o facto de que ele vai ser adaptado ao cinema com a Lucy Hale e o Robbie Amell nos papéis principais. E eles são tão lindos e tão jeitosos, obrigada, casting gods.


in-my-mailbox-logo

YAY, um post! Muito à semelhança de 2017, 2018 não foi o melhor ano em termos de leituras para mim, li muito pouquinho, comprei muito pouquinho, e reviews nem vê-las. Portanto, desejo a mim mesma (e para quem estiver a precisar) um 2019 ene vezes melhor neste aspecto. Do it.

Compras

The Other Miss Bridgerton (The Rokesbys, #3) — Julia Quinn | TBD

The Duchess Deal (Girl Meets Duke, #1) — Tessa Dare | TBD

Renegades (Renegades, #1) — Marissa Meyer | TBD

As minhas últimas compras do ano foram então estes três tesourinhos, o mais recente da Julia Quinn que, segundo a sinopse, tem uma passagem por Portugal (holy shet); The Duchess Deal da Tessa Dare é o primeiro volume da mais recente série da autora, o segundo foi publicado no ano passado e este ano sai o terceiro, espero gostar tanto desta série como gostei da Castles Ever After. E finalmente comprei o Renegades da Meyer, não sei porque é que adiei este tempo todo, até já saiu a sequela e eu aqui feita parva.

 

E aqui ficam mais fotos das minhas compras junto da minha árvore de Natal, aw. Bom ano!


in-my-mailbox-logo

Antes de começar a escrever este artigo fui olhar para a minha última Mailbox e ela começa assim: “A primeira Mailbox de 2017…”. E portanto, foi a primeira e a última, coisa que eu temo e suspeito que se vá repetir este ano.

Mas vamos lá ao que interessa, aqui estão as minhas últimas aquisições, ofertas e wins:

Compras

The Pocket Scavenger — Keri Smith | TBD

This Is Not a Book — Keri Smith | TBD

Magnus Chase and The Hammer of Thor — Rick Riordan | TBD

All the Crooked Saints — Maggie Stiefvater | TBD

Strange the Dreamer — Laini Taylor | TBD

Mais Keri Smith, depois de ter achado imensa piada ao Wreck This Journal; Rick Riordan! que saudades daquela trupe; e os tão esperados novos livros da Laini e da Maggie—que devido ao atraso deste post já não são tão novos assim—têm umas capas lindas.

Ofertas/Giveaway wins

Thorn — Intisar Khanani | TBD

Saint Anything — Sarah Dessen | TBD

Quiet Girl in a Noisy World — Debbie Tung | TBD

O Thorn foi um giveaway win num passatempo da Jen Ryland no ano passado, é um fairytale retelling; o Saint Anything foi uma oferta de uma espécie de pen pal, já li e não faço ideia se vou fazer review ou não, gostei assim assim; o Quiet Girl é uma colecção de web comics e foi uma oferta de aniversário.

As belas das capas.

Gostava de ter talento para a fotografia mas não tenho e pronto, é o que se arranja.


english-post* * *

Participant: jen7waters
The Bout of Books read-a-thon is organized by Amanda Shofner and Kelly Rubidoux Apple. It is a week long read-a-thon that begins 12:01 am Monday, May 14th and runs through Sunday, May 20th in whatever time zone you are in. Bout of Books is low-pressure. There are challenges, giveaways, and a grand prize, but all of these are completely optional. For all Bout of Books 22 information and updates, be sure to visit the Bout of Books blog. – From the Bout of Books team

 * * *

Officially signed-up for the Bout. God, I feel so awkward—been away from blogging for so long, do I even know HOW. Long story short: I’m on vacation and with lots of time to spare so let’s do this.

Goals

  • Read every single day
  • Participate in at least 3 challenges
  • Interact with fellow readathoners
  • Read the following books:

 

 

 

Updates

 

Day 1 | May 14

Reading progress: 25% of The Woman in the Window

Challenge: Introduce yourself #insixwords — Introvert not always trying her best

Day 2 | May 15

Reading progress: got to 50% of The Woman in the Window

Challenge: Year of You (thanks to Courtney Lynn) — Share a book that was published the year you were born. If you don’t wish to disclose your age (that’s fine; you’ll get no judgment either way here), pick a book that was significant to your childhood.

I was born in the magical year of 1985 and I’m so happy to share a book that’s a favorite of mine, by a super favorite author and that is… *drum roll*… FIRE AND HEMLOCK BY DIANA WYNNE JONES, first published by Greenwillow Books.

fireandhemlock

Fire and Hemlock (first edition, 1985) Image by Open Library

I read this book back in 2016 and even though I was already acutely aware of DWJ’s uncanny way of storytelling, my mind was blown just like the first time I read DWJ. This was even more remarkable because Fire and Hemlock is a retelling of “Tam Lin”,—the guy who is trapped by an evil fey queen and in need of rescue from the maiden who is his true love— again, something I was familiar with having read Tam Lin retellings before. But DWJ was something else and so is her work. I actually reviewed this book if anyone feels like wanting to know more about my feelings on the subject. 1985=MAGICAL. B-)

Day 3 | May 16

Reading progress: Finished The Woman in the Window; started Wintersong

Challenge: Show Me Your Precious

Day 4 | May 17

Reading progress: Read about 10% of Wintersong (not a very good day)

Challenge: Read Alikes (thanks to Erica @2020hines_sight) — If you liked a particular book, then recommend a book(s) similar to the one you liked. If you’ve played our “If you like . . . try . . . ” challenge before, you’ve got the idea! 

I’m actually going to recommend the book I finished yesterday for the read-a-thon, The Woman in the Window by A.J.Finn, for those who enjoyed The Girl on the Train by Paula Hawkins. Definitely read both if you’re a mystery/thriller fan.

 

 

Day 5 | May 18

Reading progress: Had to DNF Wintersong at 20% because I disliked the heroine so much and other reasons; started reading Buried by C.J. Carmichael.

Challenge: Space Scavenger Hunt (thanks to Liz @LizHannah25)

Mercury – Favourite short story/novella

22914373(Matt de la Pena’s story!)

Venus – Favourite book with female protagonist & Earth – Favourite book about nature/nature word in the title

480384

Mars – Favourite book with a red cover

20443235
Jupiter – Favourite tome over 500 pages

13206828
Saturn – Favourite book with circle/ring on the cover/in the title

21060(a crown is a circle? it’s the best I could do—really love this book)

Uranus – Favourite book set in winter

161887
Neptune – Favourite book set at sea, on a boat, or under water

15827344
Pluto – Favourite books featuring a dog/with a dog on the cover

763481
Moon – Favourite book set anywhere other than Earth

13618440
Sun – Favourite book set in summer
Space – Favourite book set in space

18296615

Day 6 | May 19

Reading progress: read about 20% of Buried

Challenge: Share Your Favorite Bout of Books Moment

Day 7 | May 20

Reading wrap-up: Read The Woman in the Window by A.J. Finn, and 80% of Buried by C.J. Carmichael. Gave up on Wintersong around 20% (no regrets!). I really needed this read-a-thon, having neglected my to-be-read pile for so long. One book + 80% might not seem much but means a lot to me. Hope I can participate in the next Bout!

 


*RISES FROM THE DEAD*

WITH HOT NEWS!!

Ei, pessoas! 😀 Pois é, ando super hiper mega preguiçosa e francamente com falta de tempo para postar coisas aqui no blogue (ou para ler sequer *sadface*e tenho vergonha, e saudades, e ai que preciso tanto de organizar melhor o meu tempo. To adult is hard. 

Entretanto voltei dos mortos só para gritar aqui a novidade de que VEM AÍ UMA NOVA TRILOGIA DA JULIET!!! Ela postou esta semana sobre o assunto na Fan Page do Facebook e oh meu Deus, a descrição é assim uma coisa:

“Sci-Fi/Fantasy: Juliet Marillier’s Warrior Bards Trilogy, a new series, about an organization of elite operatives — MI6 in a medieval-style fantasy world — who use magic, song, poetry, weapons, and combat skills to solve crimes and protect the public.” (Publishers’ Marketplace)

Quer dizer, WARRIOR BARDS!!

WARRIOR.

BARDS.

Vem me logo à ideia um bando de Faolans a impor a justiça com uma coreografia combinada de punhos, instrumentos musicais e muita badassery.

Sem esquecer aquela parte mui importante que menciona “magic, song, poetry… to solve crimes and protect the public”. Holy shet.

A parte menos boa desta história é que o primeiro livro desta trilogia tem data de lançamento prevista para 2019… ouch. Isto é, a edição americana, a tuga sabe Deus quando vai estar à venda.

Portanto agora só resta ir imaginando Luke Evanses e Jones Snow lookalikes como partes integrantes desde bando de Warrior Bards e esperar… esperar…

Nota: para adicionar no Goodreads: AQUI.


Behold! a bela da capa e a sinopse do novo livro da Maggie Stiefvater!

Opá, opá, opá estou tão em pulgas para ler isto. Esta autora tem ideias tão loucamente originais e personagens tão extraordinárias com as vozes narrativas mais geniais e sarcásticas que eu fico a tremer só de pensar na awesomeness que aí vem. Ainda por cima este livro passa-se nos anos 60 e mete magia e santos e milagres e todas essas coisas místicas que Maggie é tão boa a escrever sobre.

E esta capa é tão linda, oh meu Deus. As rosas que parecem tattoos e a coruja. Oh meu Deus. All the Crooked Saints é um standalone e tem publicação prevista para Outubro deste ano.

Mais detalhes e uma entrevista sobre o livro à Maggie aqui.

all-the-crooked-saints

Título: All the Crooked Saints
Autor: Maggie Stiefvater
Editora: Scholastic Press US
Páginas: 288
Publicação: 10 Outubro, 2017
Formato: Hardback
ISBN: 9780545930802
Idioma: Inglês

Sinopse: Saints. Miracles. Family. Romance. Death. Redemption.

The book takes place in the 1960s in Bicho Raro, Colorado and follows the lives of three members of the Soria family—each of whom is searching for their own miracle. There’s Beatriz, who appears to lack feelings but wants to study her mind; Daniel, the “Saint” of Bicho Raro, a miracle worker for everyone but himself; and Joaquin (a.k.a. Diablo Diablo), who runs a pirate radio station at night.

“The Soria family are saints as well, and the miracle they perform for pilgrims to Bicho Raro is as strange as most miracles are: They can make the darkness inside you visible. Once the pilgrims see their inner darkness face to face, it’s up to them to perform another miracle on themselves: banishing the darkness for good. It can be a tricky business to vanquish your inner demons, even once you know what they are, but the Sorias are forbidden to help with this part. They’ve all been told that if a Soria interferes with the second miracle, it will bring out their own darkness, and a saint’s darkness, so the story goes, is a most potent and dangerous thing.” – Maggie Stiefvater, EW interview.

 

 


banner-estreias-fevereiro-2017

Como tudo o resto neste blogue ultimamente, o post das Estreias deste mês vem super atrasado, mas aqui está ele.

Portanto este foi/ainda é o mês das estreias de vários filmes nomeados para os Oscars deste ano que são já no próximo domingo, com transmissão em directo na Sic, às tantas da madrugada.

Elementos Secretos — 02 de Fevereiro

(Hidden Figures)

elementos-secretos-poster-pt

Queria mesmo ter ido ver ao cinema, sigh. Gosto tanto da Taraji P. Henson.

* * *

Fragmentado — 02 de Fevereiro

(Split)

fragmentado-poster-pt

Outro que gostava de ver, porque aprecio toda a extreme weirdess & whatdafuqery vinda da cabeça do M. Night.

* * *

Jackie — 09 de Fevereiro

(Jackie)

jackie-poster-pt

Jackie. Eu até gosto bastante da Natalie Portman mas confesso que biopics não são de todo a minha praia.

* * *

Rings — 09 de Fevereiro

(Rings)

rings-poster

First you watch it, then you die. Mais do mesmo.

* * *

Lego Batman: O Filme — 16 de Fevereiro

(The Lego Batman Movie)

lego-batman-poster

Opá o trailer é tão bom. A sério, este Lego Batman parece estar 89755367896 vezes melhor que o Batman v Super-Homem.

* * *

John Wick: Capítulo Dois — 23 de Fevereiro

(John Wick)

john-wick-poster

E Keanu Reeves, o homem que não envelhece como o comum dos mortais, está de volta. E eu tenho a impressão que nunca cheguei a ver o primeiro John Wick.

* * *

T2: Trainspotting — 23 de Fevereiro

(T2: Trainspotting)

t2-poster

Idem. Acho que nunca vi o primeiro Trainspotting, nem faço ideia do que se trata, esta que é a adaptação do livro de Irvine Welsh.

* * *

Vedações — 23 de Fevereiro

(Fences)

vedacoes-poster-pt

Fences é adaptado da peça de teatro com o mesmo nome pela autoria de August Wilson e oh—meu—deus, custa tanto ver o Denzel Washington em modo tough love para o filho e a fazer a Viola Davis chorar. Sadface.

(Fonte: Filmspot. Datas de estreia sujeitas a alteração.)

toptentuesday

Top Ten Tuesday, que esta semana é um All About Romance freebie, e eu decidi listar alguns dos meus tropes favoritos com alguns livros a exemplo. Cá vai disto:

1. Just the two of us — Opaaaá, eu amo histórias em que o herói e a heroína por alguma razão têm de enfrentar um jornada qualquer juntos, sem grandes interferências de terceiros e melhor ainda é quando eles nem começam por se dar assim muito bem. Favoritos a exemplo: These Broken Stars de Amie Kaufman e Meagan Spooner, e Scarlet de Marissa Meyer.

2. Enemies-to-lovers/Hate-to-love — Este por vezes deixa-me maluca, a puxar pelos cabelos, a bater com a cabeça na parede mas OMD que este trope está no meu top 3 dos tropes. Favoritos a exemplo: Crown Duel de Sherwood Smith, Daughter of Smoke and Bone de Laini Taylor e, claro, Pride & Prejudice de Jane Austen.

3. Heróis idiotas a dizerem coisas idiotas à heroína — O número uno da minha lista para este ponto até podia ser o Mr. Darcy já que ele é o rei da coisa, mas a verdade é que o herói que me salta logo da memória quando penso neste tema dos idiotas a dizer coisas idiotas é mesmo o Colin—nunca vou recuperar daquele momento totalmente heartbreaking no An Offer From a Gentleman quando ele berra “I am certainly not going to marry Penelope Featherington!” com a Penny mesmo ali ao lado. F*****g hell, Colin. Horrores, horrores.

4. O rake apaixonado pela primeira vez que não sabe bem o que fazer — Uma das minhas cenas absolutamente favoritas do Devil in Winter é quando o Sebastian está a ter um semi-ataque de pânico porque finalmente chegou à conclusão que ama a Evie como um louco mas não sabe o que fazer com esses feels todos e diz-lhe algo do género, you have to go, I can’t be around you, I don’t know what to do, WHAT ARE YOU DOING TO ME, PLEASE GO AWAY!!! E a Evie: awww, you love me.

5. Fazer de conta que não gosto nada de ti — Porque é que as pessoas gostam de sofrer?? E porque é que há pessoas que gostam de ler sobre pessoas que gostam de sofrer??

wejustdontknow

Exemplos favoritos: The Chaos of Stars e séries Penryn and the End of Days e The Winner’s trilogy.

6. You’ve Got Mail/Love interest anónimo — ADORO. Opá, adoro romances com partes anónimas e troca de cartas e emails e mensagens de todo o tipo, e em que um dos envolvidos por alguma razão prefere manter o anonimato, ou nem sequer se pronuncia e só venera a sua amada de longe. Claro que isto tem de ser bem feito para não começar a entrar no terreno do creepy stalker. E quem já fez isto tudo muito bem? Rainbow Rowell com Attachments e Tammara Webber com Easy.

7. Parece que nem está a acontecer nada — Este é praticamente um sinónimo do próximo ponto, mas achei por bem dar-lhe um lugar próprio inteiramente por causa da Maggie Stiefvater que gosta de me obrigar a estas coisas com os seus romances tão subtis que por vezes parece que nem estão ali mas vai na volta e BAM! Socorro! Portanto os exemplos favoritos são os Raven Boys e o Scorpio Races.

8. Slow-burn — Save the best for last. Claro que o meu Daughter of the Forest tinha de entrar neste top, e ainda por cima incluído aqui no meu trope romântico favorito de sempre, o belo do slow burn—porque não gosto de coisas apressadas em nenhum aspecto desta vida, porque é preciso muita calma e tranquilidade, mesmo que por dentro o coração esteja a mil assim quase a saltar para fora do peito, porque é ene vezes mais interessante ver o romance acontecer devagar, devagarinho, sem pressas, sem saltar etapas. Sigh, doce tortura. Outro exemplo favorito: Fangirl de Rainbow Rowell.

Esta rubrica é da autoria do The Broke and the Bookish.

 


in-my-mailbox-logo

A primeira Mailbox de 2017, aleluia. Isto porque 1. nem tenho feito muitas compras e 2. nem tenho tido muito tempo para o blogue *sadface*. Três destas aquisições já me chegaram a casa em fins de Dezembro/início de Janeiro mas realmente só agora tive um tempinho para tirar umas fotografias. Bah.

Compras

Wreck This Journal — Keri Smith | TBD

Six of Crows, Six of Crows #1 — Leigh Bardugo | TBD

Say Yes to the Marquess, Castles Ever After #2 — Tessa Dare | TBD

Four Weddings and a Sixpence — Julia Quinn, Elizabeth Boyle, Laura Lee Guhrke, Stefanie Sloane | TBD

Portanto dignei-me a finalmente comprar o segundo livro da série Castles Ever After da Tessa Dare, depois de ter começado pelo terceiro, seguido do primeiro. Lógica.

A antologia Four Weddings queria muito por causa da história da Julia Quinn.

O Six of Crows é um daqueles livros que parece que toda a gente adora mas eu como não gostei nada do Shadow and Bone da mesma autora fiquei sempre de pé atrás em relação a experimentar esta nova série, mas sei lá o que me passou pela cabeça e comprei-o assim num momento de loucura para ver que tal.

Wreck This Journal! Há uns tempos ofereci uma cópia a uma amiga e fiquei sempre naquela de “um dia tenho de comprar um para mim”, e pronto foi desta.


bargain-do-dia

E hoje no BaD, Gilded, o primeiro volume da trilogia de Christina Farley, com as sequelas SilvernBrazen já publicadas.

gilded-bad

Sixteen-year-old Jae Hwa Lee is a Korean-American girl with a black belt, a deadly proclivity with steel-tipped arrows, and a chip on her shoulder the size of Korea itself. When her widowed dad uproots her to Seoul from her home in L.A., Jae thinks her biggest challenges will be fitting in to a new school and dealing with her dismissive Korean grandfather. Then she discovers that a Korean demi-god, Haemosu, has been stealing the soul of the oldest daughter of each generation in her family for centuries. And she’s next.

But that s not Jae s only problem.

There’s also Marc. Irresistible and charming, Marc threatens to break the barriers around Jae’s heart. As the two grow closer, Jae must decide if she can trust him. But Marc has a secret of his own one that could help Jae overturn the curse on her family for good. It turns out that Jae’s been wrong about a lot of things: her grandfather is her greatest ally, even the tough girl can fall in love, and Korea might just be the home she’s always been looking for.

BuyNow_Purple_85x30


frayed

Autor: Kara Terzis
Editora: Sourcebooks
Publicado: 07 Junho 2016 
Formato: Paperback
Páginas: 304
ISBN: 9781492631736
Idioma: Inglês

Sinopse: Ava Hale will do anything to find her sister’s killer… although she’ll wish she hadn’t. Because the harder Ava looks, the more secrets she uncovers about Kesley, and the more she begins to think that the girl she called sister was a liar. A sneak. A stranger.

And Kesley’s murderer could be much closer than she thought…

goodreads-badge-add

Opinião:

De certa forma acho que dar a classificação de uma estrela a este livro é um bocadinho extremo mas o problema é que não consigo pensar numa mísera coisa que tivesse gostado e portanto um rating mais alto não ia fazer sentido algum.

Para mim a grande falha deste livro é que não me fez sentir absolutamente nada, quer pelas personagens e o que se estava a passar com elas, quer pela história que até é bem trágica. Passei o livro todo só a desejar que ele acabasse depressa, porque até tinha algum tempo livre e queria ler algo minimamente interessante em vez de o desperdiçar com o Frayed.

Outro problema que tive com este livro é que adivinhei quem era o assassino praticamente deste o início, o que significa que para mim não houve mistério para ser desvendado, apenas uma longa e aborrecida narrativa sobre o dia-a-dia de uma adolescente por quem não estava a sentir empatia alguma e que acha necessário informar-me da cor do cabelo de todas as personagens, ela incluída, várias vezes ao longo da história—ugh.

Conclusão: personagens unidimensionais, chatinho, previsivel, sei que já vi vários filmes com enredos semelhantes (The Uninvited com a Emily Browning, Identity com o John Cusak), e com pseudo-romance juvenil à mistura. Não posso recomendar.

1star

EN | Goodreads | The Book Depository

toptentuesday

Top Ten Tuesday, esta semana com o tema Top Ten 2016 Releases I Meant to Read But Didn’t Get Around To (But TOTALLY plan to). JURO!

1. Stars Above, Marissa Meyer — Shaaaaame.

2. Heartless, Marissa Meyer — Estou tão em falta para com a Meyer, a sério.

dishonor

3. The Hammer of Thor, Rick Riordan — O segundo volume da série do Magnus Chase. Vou ser sincera, não adorei o Trials of Apollo e isso deixou-me um bocadinho a leste do outro livro do Rick que ia sair em 2016, o que é estupido porque amei o primeiro livro do Magnus Chase e sei que a coisa se vai repetir com o The Hammer of Thor, mas pronto. Culpo o Apollo.

4. Shuffle, Repeat, Jean Klein — Nunca li nada da autora mas pela sinopse lembro-me que estava super animada para ler este e nunca mais o fiz.

5. Girl Against the Universe, Paula Stokes — Outra novidade que fui adiando, adiando, até que tive a sorte de ganhar uma cópia num giveaway da autora no final do ano e agora está ali na TBR pile à espera.

6. Saga Vol.6, Brian K. Vaughn & Fiona Staples — Ver pontos 1 e 2.

7. A Study in Scarlet Women, Sherry Thomas — Opá, quero tanto ler mais qualquer coisa da Sherry Thomas depois da Elemental Trilogy mas ainda não cheguei lá.

8. This Adventure Ends, Emma Mills — Idem. Adorei o First & Then mesmo com os seus problemas e quero muito ler mais coisas da autora—quando puder.

Esta rubrica é da autoria do The Broke and the Bookish.


banner-estreias-2017-jan

Já venho ligeiramente atrasada com o primeiro post de Estreias do ano, but what the hell, who cares.

Não estreia assim muita coisa que eu ache minimamente interessante—honestamente nenhum destes filmes que vou listar me puxa a ir ao cinema—mas também está um frio do caraças, nada me puxa a ir à rua de livre vontade fazer o que quer que seja, há alturas em que só apetece ficar em casa a ver o Masterchef. 

Assassin’s Creed — 05 de Janeiro

(Assassin’s Creed)

assassins-creed-poster

Assassin’s Creed, o primeiro jogo-de-computador-vira-filme do novo ano.

Errrm, já aqui disse isto algumas vezes e acho que até já estou a ser um bocado chata, ainda por cima porque não vi, nem faço questão de ir ver este filme ao cinema, mas yep, o Fassy não me convence como action figure. Olho para ele e só consigo pensar no Mr. Rochester de rabinho quase ao léu a tentar apagar as chamas dos cortinados.

* * *

Manchester by the Sea — 05 de Janeiro

(Manchester by the Sea)

manchester-by-the-sea-poster

Manchester by the Sea é um daqueles filmes completamente rodeado de favoritismo para ganhar Oscars este ano e até já ganhou na cerimónia de ontem dos Golden Globes o prémio para Melhor Actor em Drama para o Casey Affleck.

A história anda à volta de um miúdo que perde o pai, e é então que o tio—mais novo? mais velho?—passa a ser o seu guardião e com isto ainda vai tentar remendar a sua vida amorosa—assim tipo Nicholas Sparks mas menos mainstream. 

* * *

Silêncio — 19 de Janeiro

(Silence)

silencio-poster

I know, I know, tem um aspecto super boring e ver o trailer só aumenta essa ideia, mas fiquei parva quando li a sinopse deste filme e descobri que tanto o Andrew Garfield como o Adam Driver interpretam dois padres portugueses que viajam até ao Japão à procura da personagem do Liam Neeson, também ele um padre/frei português. Claro que tive de fazer play ao trailer só para ver como era o inglês deles com sotaque tuga—acho que até não está nada mal, nota-se que eles fizeram um esforço para não soarem a nativos da língua inglesa. Mas opá aqui se perdeu um bela oportunidade de dar mais um papel ao Diogo Morgado. Booo.

* * *

La La Land — 26 de Janeiro

(La La Land)

lalaland-poster

O maior favorito em várias categorias para os Oscars deste ano, tendo sido o grande vencedor dos Golden Globes, vencendo todas as categorias em que estava nomeado—Melhor Actor e Melhor Atriz numa Comédia ou Musical, Melhor Realizador, Melhor Argumento, Melhor Filme de Comédia ou Musical, Melhor Banda-Sonora e Melhor Música Original.

Não sei bem o que pensar deste filme só pelo trailer, quer dizer, não há dúvida que parece ser muito bonito e diferente e… smooth as f**k, mas por outro lado nunca fui grande fã de musicais que não sejam animados, ou de jazz, ou de insta-love e romances do tipo “oh, we keep bumping into each other, this has to mean something” ugh.

(Datas de estreia sujeitas a alteração)

english-post* * *

Participant: jen7waters
My sign-up post
 

The Bout is on!

letsdo this

Goals

  • Read every day
  • Participate in at least 3 challenges
  • Interact with fellow readathoners
  • Read the following books:

I actually just need to finish Frayed, I was reading it already before the read-athon started—I’m currently at page 70 of 294.

+ I’M. SO. FREAKING. EXCITED for the Four Weddings and a Sixpence historical romance anthology!

Updates

Day 1 | Jan 02

Reading progress: zero pages, I suck

Challenge: Introduce Yourself #insixwords

 

Day 2 | Jan 03

Reading progress: 20 pages of Frayed

Challenge: 2017 in a Picture

Day 3 | Jan 04

Reading progress: 30 pages of Frayed

Challenge: Book to Movie

Have a book you think would make an excellent movie? Now’s your chance to share it! Go as big or as simple as you want. Share fanart, casting choices, or just a book or series you think would be OUTSTANDING on the big screen. Use the hashtags #BoBBookToMovie and #boutofbooks to share your picks!

And my pick for this book to movie challenge is going to be the Blackthorn & Grim series by my favorite author in all the land, Juliet Marillier. I finished the last book in the trilogy over the holidays and I’m still not okay with everything that happened plus having to say goodbye to these characters I love so much it’s like my heart is going to explode.

Okay so this would be a fantasy series, historical fantasy, with mysteries and riddles and curses and our two main characters investigating it all while dealing with their many inner deamons while also falling in love. Sounds so good, right?

I had never thought about which actors could play Blackthorn and Grim before this, honestly after three books I don’t even have a clear picture of them in my head because Juliet doesn’t mention their looks that often. Of course I know Backthorn is quite short, has beautiful bright red hair like a flame and light eyes, and that Grim is reaaallly tall and huuuuge, has small eyes and considers himself ugly. Their age is unknown, but after a few hints I’m pretty sure they’re both in their mid thirties.

With that in mind I picked two actors I actually like a lot, Claire Foy (32) and Tom Hardy (39) as my Blackthorn and Grim. 🙂

season_of_the_witch_claire-foy-copytaboo-tom-hardy-copy-copy

And that’s my book to movie with a fancast included. Please someone make a Blackthorn & Grim tv series!

Day 4 | Jan 05

Reading progress: 10 pages of Frayed

Challenge: Book Spine Poetry

Day 5 | Jan 06

Reading progress: 0 pages cos work 😦

Challenge: If you like this, try this…

Day 6 | Jan 07

Reading progress: 50 pages

Challenge: FREE DAY!

Day 7 | Jan 08 + WRAP-UP

Reading wrap-up: Finished Frayed and started Four Weddings and a Sixpence.

Challenge: FREE DAY!

Wrap-up: Soooo, I managed to finish Frayed and read a couple of pages from Four Weddings and a Sixpence. Didn’t enter all the challenges I wanted—still can’t believe I missed Book Spine Poetry, dammit. 😦 Anyway, I’m still happy I finished one book, being that I didn’t have that much free time this past week. I’ll do better in the next Bout, I’m sure, see you all there!


rogue-one-posterPrimeiro post de 2017!

Isto vai relativamente curto porque não tenho assim muito a dizer sobre o Rogue One, que fui ver há cerca de uma semana numa sessão surpreendentemente tranquila em que só estavam umas cinco pessoas.

Ora então, os positivos primeiro:

  • Chirrut Imwe: I’m one with the Force. The Force is with me.  I’m one with the Force. The Force is with me. I’m one with the Force. The Force is with me. Opá, a melhor personagem. Ainda estou heartbroken.
  • K-2SO: Esta saga não seria a mesma coisa sem os seus robôs e andróides fofinhos e tão cómicos sem sequer tentarem. Este Kaytoo em particular fez-me lembrar tanto do Sheldon de Big Bang Theroy, hehe.

captain-says

Os problemas:

  • Plot repetitivo: começo a achar que não há mais ideias para fazer um novo filme Star Wars e cada um é apenas o recontar de filmes anteriores. Era mesmo necessário este filme ter como base a Jyn Erso criança ser separada dos pais e a crescer praticamente sozinha e abandonada? Quer dizer, onde é que eu já vi isto antes? A sério que não há outra plotline para começar algo nesta saga?
  • Custa-me dizer isto porque já vi estes dois actores em outros projectos e gostei bastante das prestações deles mas realmente não amei nem a Felicity Jones nem o Diego Luna nos papéis principais. Opaaaaaá, nem me perguntem porquê porque nem eu sei bem… sei lá… só não senti assim grande ligação com as personagens ou os actores. Se calhar devia era culpar a Rey, o Poe e o Finn porque gostei tanto deste trio que pensei que a coisa se ia repetir com os protagonistas do Rogue One.
  • Aquelas personagens CGI tão creepy: não sei se toda a gente notou mas o General Tarkin, aquele mau da fita que parecia um cadáver era CGI + um outro actor parecido com o actor que interpretou esta personagem no episódio IV, Peter Cushing, ele que já morreu há mais de 20 anos. Pelos vistos nem é a primeira vez que usam estas técnicas para ressuscitar o actor e com ele a personagem, mas yikes, que impressão que me fazia quando ele falava e pior, quando ele pestanejava—não parecia nada humano. Há um tipo no Youtube que fez um vídeo a explicar tudo, se estiverem interessados aqui fica o link. A Leia CGI só teve direito a uns segundos de screentime e portanto não foi tão creepy como o Tarkin, mas entretanto a Carrie Fisher também morreu e yep, multiplicou o creepy.
  • Todas aquelas mortes: não queria spoilar mas OPÁ, não estava nada a contar com aquela taxa de sobrevivência dos infernos. A sério que não podia ser ligeiramente mais positiva? Detesto personagens/destinos Jesus-like.

Claro que este não deixa de ser um filme que vale a pena ver, que vale uma ida ao cinema e o preço do bilhete mas que este Rogue One me soube a pouco lá isso soube. E pronto, é tudo, e o post já nem foi tão curto assim.

Trailers: Só me recordo que passou o do Assassin’s Creed e honestamente a ideia do Fassy como figura de acção ainda não me convenceu.




%d bloggers like this: