Eleanor & Park

01Out14
Eleanor-ParkAutor: Rainbow Rowell
Editora: Orion
Publicação: Feb, 2013 (1ªed.2012)
Formato: Paperback
Páginas: 324
Idioma: Inglês

Sinopse: Eleanor is the new girl in town, and with her chaotic family life, her mismatched clothes and unruly red hair, she couldn’t stick out more if she tried.

Park is the boy at the back of the bus. Black T-Shirts, headphones, head in a book – he thinks he’s made himself invisible. But not to Eleanor…never to Eleanor.

Slowly, steadily, through late-night conversations and an ever-growing stack of mix tapes, Eleanor and Park fall for each other. They fall in love the way you do the first time, when you’re young, and you feel as if you have nothing and everything to lose.

add to goodreads

Opinião:

Que malvada, Rainbow, que malvada!!

Deus me livre, antes de começar a escrever esta opinião até me deu um ataque de choro, muito mais intenso do que aquele que me deu quando estava a ler o livro, o que é estúpido estranho, mas opá, não conseguia parar de pensar na Eleanor-personagem, e nas “Eleanors” deste mundo, e foram LÁGRIMAS.

A Eleanor é a mais jovem protagonista de todos os livros da autora que já li (Fangirl, Attachments, Eleanor&Park), e no entanto é a que tem o percurso mais difícil e traumático. Passei o livro todo totalmente frustrada e zangada com a vida, porque queria tanto entrar pelas páginas dentro e dar colinho à Eleanor, gritar até não poder mais aos ouvidos da mãe dela, partir uma cadeira na cara daquele reles do padrasto, esbofetear as ordinárias que adoram humilhar a Eleanor na escola, e ARRRRGH!! chamar a polícia, a segurança social, os bombeiros se fosse preciso, mas fazer tudo e mais alguma coisa para tirá-la daquela situação.

O que me chocou mais nesta história foi a mãe da Eleanor. Aquela mãe desnaturada que é capaz de pôr um palhaço acima da felicidade, segurança, e bem-estar dos filhos, onde já se viu! Os pais são, ou deveriam ser, aquelas que pessoas que escolhem os filhos sempre, antes de tudo e de todos, o porto-seguro, a fonte de amor incondicional, especialmente quando os filhos ainda são crianças/adolescentes e estão dependentes deles, à mercê do que se passa em casa, e das pessoas que os pais admitem lá dentro, e partiu-me o coração em mil pedacinhos ver que a Eleanor, mesmo tendo pai e mãe, nunca ninguém a escolhia primeiro. Nunca. O pai é outro palhaço, completamente ausente da vida dos filhos, e a mãe, ai a mãe, GRRRRR.

Bendito seja o Park, e os pais dele, que me iam restaurando a fé na humanidade sempre que entravam em cena a fazer alguma coisa completamente normal de pais que adoram os filhos, mesmo que por vezes se gerasse algum conflito entre as partes. No meio das desgraças da Eleanor, eles iam-me fazendo rir, mais o pai do Park, que tem uma saídas hilariantes, embora se calhar o Park não seja da mesma opinião.

Se calhar devia falar mais do romance, que começa muito torto, mas lá se endireita, oh, to be young and in love! Numa palavra: adorável, como estava à espera que fosse. Afinal adorável é o estilo da Rainbow no que toca ao amor, adorável, e tortuosa e deliciosamente lento—sou fã das relações amorosas que não apressam nenhum passo, por muito pequeno que ele possa parecer, e que dão a cada um deles o deu devido valor, por exemplo aquela cena em que eles se tocam pela primeira vez, nas mãos, e ambos ficam totalmente fascinados com a experiência. Pode parecer infantil, ainda por cima com personagens tão jovens, mas não é, a Rainbow torna tudo especial. Lembro-me perfeitamente que no Fangirl, a Cath e o *spoiler* também demoram uma eternidade para se tocarem e foi tão especial, oh boy. E eles até eram mais crescidos e experientes.

O final foi agridoce, mas fiquei tão, tão feliz pela Eleanor, foi um alívio de dimensões épicas vê-la salvar-se, sobreviver àquela situação tóxica, e finalmente encontrar alguém que lhe pode dar tudo o que ela merece e que a mãe é incapaz. E como sou uma daquelas leitoras de que a Rainbow fala naquela nota final, daquelas que acreditam que as personagens continuam a sua história depois do livro acabar, acredito que a relação da Eleanor com o Park não ficou por ali. Quem sabe um dia a Rainbow não escreve uma sequela, assim uns 10, 20 anos depois—ia vender como se fosse pãezinhos quentes.

Claro que recomendo. Rainbow Rowell é uma daquelas autoras. Uma daquelas que só aparecem de vez em quando, e que transformam os leitores. De que é que estão à espera??

4stars

EN | GoodreadsThe Book Depository


18 Responses to “Eleanor & Park”

  1. 1 p7

    Esta senhora gosta de nos torturar. Tenho dito. xD

    Não consegui ficar completamente zangada com a mãe dela, porque entendo como aquela mulher sentia uma dependência e uma incapacidade de abandonar aquele traste, é a mentalidade de uma vítima de violência doméstica, e percebo como é difícil quebrar com isso… mas OMG, dava uns nervos ver os pais do Park em comparação, tão fofinhos e sempre aos beijinhos. E a Eleanor sempre privada de coisas tão básicas, argh, já estou a ficar stressada só de pensar nisso outra vez.

    E depois a Rainbow nem nos diz o que aconteceu aos miúdos! Eu preciso de saber o que aconteceu aos miúdos, meu Deus!

    Bem, numa entrevista ela disse que não descartava uma sequela, mais tarde na vida de ambos, por isso, vamos torcer para que aconteça.

    • Oh meu Deus, eu queria tanto dar-lhe uns abanões. Ela podia gostar de sofrer, mas fazer os filhos passar por isso também, que horror. Ainda pensei que ela não tivesse ninguém a quem pedir ajuda, familiares, isto é, mas tinha aquele tio, porque é que não lhe pediu ajuda antes, pelo menos para os filhos, ou até só para a Eleanor, durante aquele ano inteiro em que a deixou com ESTRANHOS. AAAAAH! Também já estou a ficar zangada outra vez, que nervos.

      Também gostava de saber o que aconteceu aos miúdos, esperemos que a mãe se tenha juntado à Eleanor uns tempos depois.

      Opá mas os pais do Park são do melhor, gostava principalmente quando era a mãe que tinha sempre a última palavra, imaginava sempre aquela senhora minúscula a pôr aquele homem gigante de bigode (o pai) na ordem xD

      Uma sequela ia ser tãaao giro (~♥‿♥)~

      Outra cena, no outro dia li uma coisa bombástica! não faço ideia se é verdade, a própria pessoa que postou sobre isto não tinha a certeza, mas parece que a Cath e o Levi fazem uma espécie de cameo no Landline! e ela tem um anel de noivado no dedo :0 !!! é assim, parece que há um casal que a certa altura ajuda a ou o protagonista do Landline e não aparecem nomes, mas pelas descrições tudo aponta que sejam eles. Pode ser coincidência, MAS E SE NÃO É !! Ai jesus, tenho que ler isto a seguir xD

      Depois de ler isto até fiquei paranóica a pensar que se calhar já perdi cameos de outras personagens noutros livros da Rainbow :0

      • 3 p7

        Esperemos que sim. A Eleanor já é grandinha, sabe cuidar de si, mas a incerteza sobre o destino dos miúdos deu comigo em doida. -.-

        Awww os pais do Park eram mesmo adoráveis, a mãe dele sempre a levar tudo á frente, e o pai… bem, o senhor tinha uma mentalidade algo antiga, mas fiquei muito reconhecida quando aceita que o Park pode tomar as próprias decisões e o deixa fazer o que precisa de fazer para ajudar a Eleanor.🙂

        Isso que estás a dizer do cameo não me é completamente estranho, acho que já li algures alguém comentar, e tenho a sensação que metia o Levi e a Cath, mas não me tinha dado conta da grandiosidade da coisa…😀 Suponho que aparecem no tempo presente da protagonista do Landline, não?

        Quanto a outros cameos, não sei se é muito provável, apesar de todos os livros dela se passarem no mesmo espaço geográfico, mais ou menos, é tudo em décadas diferentes, não sei se fazia muito sentido ter gente a aparecer doutros livros… aquele que mais se ajeita a isso seria o Fangirl, assumindo que o pessoal do E&P ou do Attachments podia andar por ali. Mas como o Fangirl já tem o cameo no Landline, não sei. :S

      • Sim! No Fangirl a história acontece de 2011 para 2012, e no Landline começa em 2013. Por isso o cameo é possível.
        Eu não sabia de nadinha! Quando li aquele post fiquei totalmente em choque :0

      • 5 p7

        Sobre outra autora que gosta de nos fazer sofrer, viste as novidades da Susan Ee? E que é suposto este ser o último livro? Eu pensava que ela tinha planeados cinco… :S Já estou com saudades da Pen e do Raffe, e ainda nem li o livro.😛

        Mas suponho que se ela consegue fechar a história que tinha planeado em três livros, prefiro que sejam os três livros em vez de se pôr a engonhar e a esticar para cinco, porque isso normalmente dá cabo duma série.:/

      • Pois é, quando li o email fiquei WHAAAAAT?? MAS MAS???
        Não percebo. Honestamente já não me lembro onde ouvi a notícia pela primeira vez, de que iam ser 5 livros em vez de 3, mas estava em todo lado! E agora afinal é só mais um😥 Quer dizer, por um lado tenho a certeza que vai ser um final explosivo, mas por outro é triste pensar que é o último livro da Penryn. Temos que descobrir o que aconteceu.

      • 7 p7

        Lembro-me que depois de ler o segundo livro andei a vasculhar de onde é que vinha essa coisa dos cinco livros, e creio que encontrei um post onde ela afirmava mesmo que tinha planos para cinco livros. Já não sei é se foi no blog dela, ou a dar uma entrevista a alguém. :S

        Portanto, se foi ela que disse, e como algum pessoal já tem levantado a mesma pergunta, calculo que a Susan faça um post brevemente sobre o assunto, é esperarmos um bocadinho, suponho.

        Agora estou morta é para ver a capa do terceiro… depois dos dois pares de asas tão adequadas à história, que vamos ter no último livro? E será que isso nos vai dar uma pista sobre como termina?😀

      • Pois é, depois da capa com as asas de anjo, e capa com as asas de demónio, parece que se esgotaram os tipos de asas, então que raio de asas vão aparecer na capa do terceiro… só se crescerem umas asas especiais à Penryn, assim umas asas de fogo… ainda estou naquela que se calhar ela não é tão humana como parece.

        … ou podem não ser asas desta vez, talvez a espada?

      • 9 p7

        Bem, não há nada que represente a mana da Pen, pois não? A não ser uma dentuça sangrenta? xD

        Lembro-me de falar com alguém depois do segundo livro e mencionarmos que podiam ser umas asas de libélula, como a dos híbridos escorpiões-homens… são as únicas que faltam. :S

        Bem, mas também me satisfazia com dar primazia à Pooky Bear.😀

      • Ah! *rebola no chão a rir* recebi uma imagem mental do Raffe com asas de libélula!! xD
        Mas sim, é uma séria possibilidade, ainda por cima esses escorpiões devem ser super importantes no próximo livro, como já foram no final do segundo.

        Quando penso na Paige só me vem à ideia pontos, e mais pontos, e cicatrizes. Não vejo um final feliz para aquela miúda😦

      • 11 p7

        Se só assim é que o pobre pode voltar a voar, que seja. xD Se bem que morro de pena das asas originais, que parecem lindas.🙂

        Calculo que a Susan explore a relação da Paige com os escorpiões, por isso talvez venham a ter um papel grande no desenrolar das coisas… quanto à Paige, tenho um mau pressentimento, mas nesta série tenho um mau pressentimento em relação a toda a gente. xD Gostava que ela se mostrasse mais forte que os instintos implantados nela pelos vilões, e que sobrevivesse para lhes dar um bem dado pontapé no traseiro.😀

      • Pois… as asas de anjo dele bem podiam ser como as da Maleficent (imagina o Raffe a ver este filme). Tenho muita curiosidade em saber com que asas ele vai ficar, ou sequer se fica com asas… tadinho ele gostava tanto das dele… se bem que as tem agora dão muito mais jeito em situações difíceis.

        Concordo, também não estou a ver um futuro para a Paige, mas sabe-se lá! era o maior plot twist ela sobreviver no fim da série. O que eu queria mesmo era que ela não sofresse, prefiro que ela não sobreviva se a alternativa é a viver em sofrimento por causa daquelas modificações todas que lhe fizeram, ninguém merece e ainda por cima ela é tão pequenina, corta-me o coração!😥

  2. Tomara que haja uma sequela, há tanto por saber ainda… Eu não sou muito apologista de sequelas neste tipo de livros, mas este caso é diferente. Também não me conformei com o “final” dos miúdos e da mãe, estava à espera que aquele bandido fosse preso…

    E depois, o meu coração anseia fervorosamente por um reencontro entre a Eleanor e o Park! Aqueles dois têm que se reencontrar como o Jesse e a Celine se reencontraram no Before Sunset…

    • A haver sequela acho que ia ser quase como se nem fosse, se eles se encontrassem uns 10, 15, 20 anos depois, iam ser quase desconhecidos, seria como começar um romance novo, mas de certa maneira com uma história. Seria BRUTAL. :’) Nem só por causa do romance, ia adorar ver a Eleanor adulta, independente, possivelmente com um bom trabalho, já que ela era excelente aluna, enfim, finalmente dona de si, sem ter de estar mercê de adultos incompetentes.

      Aquela besta… >_> era o que ele merecia era…

      Aw, não conheço esse livro, tenho de investigar!

      • Desculpa, não é um livro (pelo menos eu acho que não) é um filme que faz parte de uma trilogia.😀 No primeiro filme eles conhecem-se mas acabam por se desencontrar e no segundo, passados 9 ou 10 anos voltam-se a encontrar… o terceiro filme ainda não vi, mas suponho que se casem ou algo do género…

      • Ah! tenho de ver😀


  1. 1 Novidades 2015 | Eleanor & Park | Cuidado com o Dálmata
  2. 2 Favoritos ~ 2014 | Cuidado com o Dálmata

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: