The Girl in the Steel Corset

22Maio12
Autor: Kady Cross
Série: Steampunk Chronicles #1 + #0.5
Editora: Harlequin (2012, 1ª ed. 2011)
Formato: Paperback
Páginas: 480
Idioma: Inglês
Challenge: Steampunk 2012 ~ 5/12

Sinopse: In 1897 England, 16-year-old Finley Jayne is convinced she’s a freak. No normal Victorian girl has a darker side that makes her capable of knocking out a full-grown man with one punch. Only Griffin King sees the magical darkness inside her that says she’s special . . . that she’s one of “them.”

Opinião:

E lá fui eu enganada mais uma vez por um título (e capa). The Girl in the Steel Corset. Sempre me soou a qualquer coisa como, O Homem da Máscara de Ferro, em que o moço é obrigado a usar aquela coisa para ocultar a face e um segredo bem juicy; alternativamente também pensei que o steel corset pudesse ser uma espécie de chastity belt, mas claro, com um propósito diferente, e restavam as dúvidas: porque é que a rapariga usa aquilo? Será que alguém a fechou no corset e deitou as chaves fora? O que é que acontece se ela conseguir despir a coisa? E como é que ela dorme? Come até se fartar? Respira fundo?? Mas acontece que nenhuma das minhas suposições e dúvidas eram válidas porque o steel corset é totalmente irrelevante para a história, e só aparece muito lá para frente quando a minha personagem favorita, Emily, se lembra de fazer uma engenhoca do género para a heroína do livro, Miss Finley Jayne. Mas porque razão? Por razão nenhuma em especial, a Emily é que é uma fofa e gosta de fazer destas coisas.

*sigh*

E pronto, agora que já desabafei o meu descontentamento acerca do steel corset inútil, posso dizer que ainda assim gostei deste livro no geral, embora não o ache espectacular ou um obrigatório a ter na estante.

Como já tinha dito na Mailbox, esta edição paperback lançada este ano pela Harlequin trás como bónus a novella The Strange Case of Finley Jayne (o #0.5), que gostei bastante de ler, e que me animou para começar o livro propriamente dito. Estranhamente, gostei mais da Finley na novella do que no Girl in the Steel Corset. Porquê? Have no idea.

Já tinha uma vaga ideia do mistério que envolvia heroína, porque mal li a sinopse pela primeira vez, aquela parte do “darker side” fez-me logo lembrar do Dr Jekyll no The Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde, e desta vez não estava errada porque é exactamente o que se passa neste livro com a Finley — ela é uma jovem 50% normal, 50% freak, que de vez em quando é possuída por um other self que é uma espécie de Hulk, embora ela não vire um monstro verde lento das ideias. Mas Finley não é a única freak desta Londres Vitoriana alternativa, e acaba mesmo por se juntar a um grupo de gente que também possuiu qualidades e poderes fora do normal, e que são uma espécie de vigilantes da cidade.

Deste grupo não consigo destacar assim um personagem que me tenha impressionado muito, a não ser a Emily, que faz as coisas mais brilhantes e virtualmente impossíveis nos espaços de tempo mais curtos, como por exemplo, substituir válvulas no coração mecânico do Sam — foi tão fácil e rápido como fritar um ovo; miúda, como é que fazes isso? (*.*) Mas não consigo destacar mais ninguém porque falta qualquer coisa a estas personagens, brilho, genica, profundidade, algo que me leve a importar-me com o que lhes possa vir a acontecer, porque sinceramente até agora…

Também há ali pelo meio um par de triângulos amorosos, essas coisas do mal que eu abomino de tal maneira que já nem sei que mais nomes feios lhes posso chamar (por favor autores: parem, parem!!), mas enfim… a experiência não deixou de ser positiva — ainda que com reservas. Já estou a ler o segundo da série, a ver se a coisa melhora.

(E a sério, o corset devia de ter um propósito maior. Não estou a sugerir que ter as mamas no sítio não seja importante, BUT SERIOUSLY!)

Classificação: 6/10

EN ǀ Goodreads ǀ The Book Depository UK ǀ The Book Depository.com


5 Responses to “The Girl in the Steel Corset”

  1. 1 carlamsoares

    Também detesto triangulos amorosos, desses que se arrastam e tal (acho mesmo que jamais (ai, nunca digas desta água não beberei!) vou escrever sobre um!
    e uma capa tão bonita, com toda aquela seda vermelha…
    o que achas da capa do meu livrito?

    • Ai dão-me cabo do juízo!! Não suporto aquela coisa de estar a ler sobre uma pessoa (seja rapaz ou rapariga) que tão depressa está doida de amor pelo(a) fulano(a) x, e no instante seguinte está a ponderar o(a) fulano(a) y. Pelo amor de Deus… sim, é normal ter dúvidas (especialmente no campo amoroso, não é…) mas então não me venham com declarações de amor infinito que duram o intervalo de tempo que demora outra pessoa interessante a aparecer na história. *nervos*. Please, please, don’t do it!! xD

      Aaah, gosto muito (ainda não tinha dito? :0), tenho um fraco por capas com moças giras e vestidos, e embora só dê para ver um bocadinho de cada na capa do Alma Rebelde, a composição é muito bonita, com aquela luz por trás e tal.
      And don’t worry, está na minha lista de compras para a Feira do Livro (dia 31!! :D).


  1. 1 The Girl in the Clockwork Collar | Cuidado com o Dálmata
  2. 2 2012 Steampunk Reading Challenge: check (kind of) | Cuidado com o Dálmata
  3. 3 The Girl with the Iron Touch | Cuidado com o Dálmata

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: