Magic Bites

20Dez11

Autor: Ilona Andrews

Editora: Ace (2007)

Páginas: 260

Idioma: Inglês

Sinopse: One moment magic dominates, and cars stall and guns fail. The next, technology takes over and the defensive spells no longer protect your house from monsters. Here skyscrapers topple under onslaught of magic; werebears and werehyenas prowl through the ruined streets; and the Masters of the Dead, necromancers driven by their thirst of knowledge and wealth, pilot blood-crazed vampires with their minds. In this world lives Kate Daniels. Kate likes her sword a little too much and has a hard time controlling her mouth. The magic in her blood makes her a target, and she spent most of her life hiding in plain sight. But when Kate’s guardian is murdered, she must choose to do nothing and remain safe or to pursue his preternatural killer. Hiding is easy, but the right choice is rarely easy…

Opinião:

Magic Bites é o primeiro volume de uma série intitulada Kate Daniels, que é o nome da protagonista, e posso confessar que só o li para o First in a Series Urban Fantasy Challenge. Escolhi-o de uma lista interminável de primeiros livros do género porque entre eles era dos que tinha melhor rating no Goodreads, e até correu bem porque de todos os que li até agora para o challenge (não foram assim muitos…) este é o meu preferido, e quero mesmo ler o próximo, coisa que raramente me acontece com urban fantasy – por norma o primeiro chega-me, mas estou genuinamente com vontade de saber mais coisas sobre a Kate e de vê-la dar cabo do coiro a mais um punhado de maus da fita.

Uma coisa que me enerva neste género de livros é que muitas vezes as protagonistas são promíscuas demais para o meu gosto. É irritante, porque é que uma gaja tem de se comportar como um gajo em todos os aspectos só porque é boa a manejar uma espada, ou outra arma qualquer? Esta cena para mim está no mesmo grau de parvoíce que os triângulos amorosos. Gaja que saiba lutar tem obrigatoriamente de ser uma slut, ou andar lá perto. Ugh. Agulhas, são como agulhas a fazer acrobacias nos meus nervos.

Ainda por cima vinha com um azedume acumulado dos dois últimos livros UF que li —Mind Games e Rosemary&Rue— exactamente por causa disso, e foi com alívio que percebi que a Kate não se encaixava nesse padrão idiota. Quer dizer ela não é uma santa, mas também não faz olhinhos a todo o macho que entre em cena, e só isto já lhe valeu uma carrada de pontos a favor, e permitiu-me continuar a leitura sem bufar ou revirar frequentemente os olhos.

Agora, coisas menos boas: muitas vezes andei perdida no meio dos acontecimentos, e não sabia bem o que se estava a passar. A história começa porque Kate, que é uma espécie de justiceira mercenária, vai investigar o homicídio de um amigo que ficou em muito mau estado (a sério, este livro não poupa os detalhes, ele é peitos abertos a mostrarem os órgãos interiores, ele é ossos partidos em vários bocados, pedaços de músculo a serem arrancados, corpos —ou algumas partes deles— em estado de decomposição, etc, etc) e certos indícios colocam-na no rasto de criaturas como os vampiros, que neste mundo não são mais do que uns bichos que não têm vontade própria, e os shapechangers que são os bons da fita. Ela vai seguindo estas pistas e metendo-se em mais umas quantas alhadas, de tal maneira que eu por vezes já nem me lembrava o que é que a tinha levado ali no primeiro lugar. O worldbuilding também consegue ser um bocadinho overwhelming, e claramente não é para se perceber tudo só com este primeiro capítulo.

No entanto, à medida que se aproxima o desenlace final as coisas vão-se encaixando e fazendo sentido, e até fiquei satisfeita com desfecho, principalmente porque a autora não usou o velho truque do cliffhanger, como tantos outros autores fazem só para que o leitor tenha de ler o próximo, o que eu acho uma grande sacanagem. Por isso: well done, Ilona.

E claro está que, 50% da minha vontade de continuar a ler esta série está na curiosidade que tenho de saber como se vai desenvolver a relação Kate e Curran, o arrogante Beast Lord que a ajuda com a investigação. Aquilo promete. “Here, Kitty, Kitty, Kitty…”

Para acabar, ao visitar o site da autora, tropecei nas páginas que descrevem as duas personagens, e porque lhes achei graça, aqui fica:

**Kate**

Appearance:

Age: 26

Gender: Female

Height: 5’7 (170 cm)

Build: lean, muscular

Hair: dark brown, long

Eyes: dark brown, almond shaped, slightly elongated

Skin: 16 on von Luschan’s scale

Distinguishing marks: Tattoo on left shoulder, Raven holding a bloody sword with words Dar Vorona (Raven’s Gift.)

Affiliation

Order of Merciful Aid, agent;

Mercenary Guild, member.

Speciality

Killing things, with much bloodshed. Talking trash, infuriating authority. Driving Beast Lord crazy.

**Curran**

Appearance

Gender: Male

Height: 5’11 (180 cm)

Build: Muscular, defined, gives off a sense of coiled strength about to explode.

Hair: Blond, typically cut short except during the flare when it grows into a mane within a few days.

Eyes: Grey, luminescent with gold when excited or angry. Curran’s gaze is extremely difficult to hold.

Skin: naturally pale, but he tends to bake himself in the sun every chance he gets.

Distinguishing marks: broken nose that didn’t quite heal right, very unusual for shapeshifter.

Beast form: an enormous grey lion, striped with darker grey, like smoke blown against grey velvet.

Favorite mode of fighting

Grows teeth the size of dinner forks and bites people’s heads off. Roars after.

Affiliation

Pack. Curran is the Beast Lord. Tremble.

Specialty

While Curran’s physical power is overwhelming, he rarely has to use to it. He’s observant and shrewd and tends to use diplomacy and intimidation, breaking into violence only as last resort. He moves extremely quietly and enjoys sneaking up on Kate.

Classificação: 7/10

Goodreads ǀ The Book Depository UK ǀ The Book Depository.com


13 Responses to “Magic Bites”

  1. Já à algum tempo que ando de olho nesta série. A tua review só me deixou mais curiosa, especialmente a parte de “Here kitty, kitty”.😄

  2. 3 p7

    Duas recomendações em dois dias. Parece que tenho mesmo de cuscar esta série.😉

  3. 7 mangadeposit

    Fica melhor (à medida que a série avança). ^_^ Ainda bem que gostaste.😀

    • As opiniões que li dos próximos também prometem que melhora, ainda bem, porque se já está bom…🙂

  4. Hmmm. Soa bem. *vai investigar*

  5. 11 Alex

    Li no inicio deste ano, mas tive que voltar a ler o meu post antes de comentar aqui, para me lembrar.

    Tambem gostei da Kate, mas nao o suficiente para activamente procurar o proximo da serie. Acho que o meu problema e’ a minha saturacao com tudo o que seja relacionado com vampiros e lobisomens.

    • Pois,eu também não sou grande fã do tema, aliás evito ao máximo, por isso me admirei de ter gostado o suficiente deste para querer o próximo. Se calhar foi por as criaturas serem retratadas de maneira diferente — nunca tinha lido sobre vampiros que não são mais do que umas criaturas idiotas que só fazem o que outras muito mais poderosas as mandam fazer. E o “lobisomem” é antes um leão gigante!😀


  1. 1 Magic Burns | Cuidado com o Dálmata

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: