1001 Livros Para Ler Antes de Morrer – 111 a 120

01Jul10

(Lembrete: sinopses em Inglês denotam livros que ainda não foram traduzidos para Português – que eu me tenha apercebido.)

111.

Morvern Callar

Alan Warner

Sinopse: Alan Warner’s Morvern Callar may be the first novel that deserves its own soundtrack. The music Warner’s title character listens to as she drifts aimlessly through her sterile life may be the most worthwhile part of this depressing novel. Following in the footsteps of Trainspotting, another Scottish tale of anomie in the Highlands, Morvern Callar chronicles Morvern’s dead-end existence – a joyless round of sex and raves punctuated by the music playing through her portable stereo. Warner tells this dreary story from Morvern’s point of view in a voice that is flat and affectless, as if the girl’s soul had died years before though her body continues to function. Morvern Callar is a strange mix of shocking and banal, a mélange with appeal for a very specialized audience.

112.

The Information

Martin Amis

Sinopse: Fame, envy, lust, violence, intrigues literary and criminal, they’re all here in The Information. How does one writer hurt another writer? This is the question novelist Richard Tull mills over, for his friend Gwyn Barry has become a darling of book buyers, award committees, and TV interviewers, even as Tull himself sinks deeper into the sub-basement of literary failure. The only way out of this predicament, Tull believes, is the plot the demise of Barry. A novel of dark humor and piercing insight.

113.

O Último Suspiro do Mouro

Salman Rushdie

Sinopse: Ao jeito de As Mil e Uma Noites, o herói- narrador vai passando em revista os acontecimentos e as personagens da sua própria família, desde Cochim, no princípio do século, junto do túmulo de Vasco da Gama, até ao áspero olival andaluz onde, depois de expressar o testemunho dos seus antepassados, ele próprio se extingue de pura exaustão.

114.

Teatro de Sabbath

Philip Roth

Sinopse: Este romance de Phillip Roth apresenta ao leitor o sexagenário Mickey Sabbath, artista de fantoches aposentado. Entre o sexo e a morte, Sabbath vai resistindo a tudo o que no mundo apaga nossa incandescência. Entre as perguntas que o livro sugere está descobrir até que ponto é possível escrever o sexo.

115.

Os Anéis de Saturno

W.G. Sebald

Sinopse: Os Anéis de Saturno começa como o diário de uma viagem a pé ao longo da costa de East Anglia. De Lowestoft a Southwold e Bungay, a história do próprio Sebald torna-se o fio condutor de evocações de pessoas e culturas do passado e do presente: Chateaubriand, Thomas Browne, Swinburne e Conrad, frotas de pesca, caveiras e bichos da seda. Como todos os outros títulos de Sebald, este é um livro impossível de classificar, sendo ao mesmo tempo diário de viagem e ficção, autobiografia e enciclopédia. W.G. Sebald explora aqui o universo que o homem pensou e construiu, desde a noite dos tempos, para se dedicar hoje a destruí-lo.

116.

O Leitor

Bernhard Schlink

Sinopse: Em 1960, Michael Berg é iniciado no amor por Hanna Schmitz. Ele tem 15 anos, ela 36. Ele é apenas um adolescente. Ela é uma mulher madura, bela, sensual e autoritária. Os seus encontros decorrem como um ritual: primeiro banham-se, depois ele lê, ela escuta e finalmente fazem amor. Mas este período de felicidade incerta tem um fim abrupto quando Hanna desaparece subitamente. Michael só a encontrará muitos anos mais tarde, envolvida num processo de acusação a ex-guardas dos campos de concentração nazis. Inicia-se então uma reflexão metódica e dolorosa sobre a legitimidade de uma geração, a braços com a vergonha, julgar a geração anterior, responsável por vários crimes. Perturbadora meditação sobre os destinos da Alemanha, O Leitor é, desde O Perfume, o romance alemão mais aplaudido nacional e internacionalmente. Traduzido em 39 línguas, foi galardoado em 1997 com os prémios Grinzane Cavour, Hans Fallada e Laure Bataillon. Em 1999 venceu o Prémio de Literatura do Die Welt.

117.

A Fine Balance

Rohinton Mistry

Sinopse: Set in mid-1970s India, a subtle and compelling narrative about four unlikely characters who come together in circumstances no one could have foreseen soon after the government declares a ‘State of Internal Emergency’. It is a breathtaking achievement: panoramic yet humane, intensely political yet rich with local delight.

118.

(parece impossível arranjar a capa da edição portuguesa)

Trabalho de Amor

Gillian Rose

Sinopse: Nesta radiante e desafiadora memória, Gillian Rose encontrou uma nova maneira de explorar o mundo e a si mesma. Deambulando entre Londres, Nova Iorque, Jerusalém e Auschwitz, a sua história revolve-se em círculos como a memória, recapturando a rapariga pequena e nada inocente que confronta a sua herança judia e protestante e, subsequentemente, a ternura do amor e as restantes dificuldades da amizade, da filosofia e da mortalidade. Apaixonado, engraçado e de uma honestidade pungente, Trabalho de Amor extrai luz da escuridão, confrontando o niilismo do nosso tempo com uma surpreendente e inspiradora visão.

119.

The End of the Story

Lydia Davis

Sinopse: This engagingly human and candid novel takes us deep into a world of obsession in which a happily settled woman attempts to piece together the fragments of an unresolved episode from her past. She recalls a period when, as a writer in her thirties, she was living and working on the other coast and found herself involved in a powerful yet uncertain relationship with a much younger man. As she examines and reinterprets events from the distance of time, she recounts in absorbing detail the increasing complexity of her experience, its gradual dissolution, and the disorienting spaces it left behind. With ruthless honesty, artful analysis, and crystalline depictions of human and natural landscapes, The End of the Story combines a deeply serious intention with an abiding sense of the absurd as it illuminates the dilemmas of loss and the fallibility of memory.

120.

Mr. Vertigo

Paul Auster

Sinopse: “Tinha doze anos a primeira vez que caminhei sobre as águas.” Assim começa este romance de Paul Auster. Ele próprio afirmou que ao escrevê-lo “qualquer coisa de diferente aconteceu”, talvez marcando uma viragem no seu percurso criativo. A acção inicia-se em Saint Louis, Missouri, nos anos 20, e mergulha na memória colectiva americana, tecendo-se desses acasos, tão ao gosto do autor, que fazem coincidir de certa forma a vida do Rapaz Maravilha com a própria história da América. Auster arquitectou-o como um livro de memórias, escrito pelo herói já no fim da vida, mas pode também ser entendido como um romance iniciático onde o tema da solidão é tratado com uma lucidez fulgurante. Mr. Vertigo confirma Paul Auster como um dos mais singulares escritores do nosso tempo, levando ousadamente mais longe a sua sedutora arte de narrar que, desta vez, atinge uma dimensão quase épica.



3 Responses to “1001 Livros Para Ler Antes de Morrer – 111 a 120”

  1. Tenciono ler “O leitor” ainda este mês.
    Os restantes desconheço, embora os autores me sejam familiares.

  2. Não! Quero primeiro ler o livro e depois ver o filme.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: